Criptomoedas ou ativos geradores de caixa?

Com a alta das taxas de juros e a queda dos preços das criptomoedas, muitos investidores optaram por ativos mais seguros e “geradores de caixa”…

Mas afinal, qual a diferença entre essas duas classes de ativos?

Basicamente as criptomoedas não possuem capitalização ou geração de dividendos.

Por isso, para se valorizarem dependem sempre de um outro investidor disposto a pagar um valor maior para que outro ganhe dinheiro.

os ativos geradores de caixa, como os títulos de dívidas e ações de grandes empresas tradicionais, pagam os seus investidores independente da valorização ou desvalorização do ativo.

Neste caso, se tornando uma opção mais segura e previsível!

Vale ressaltar que na Ulend os investimentos em crédito são ativos reais geradores de caixa.

Porque são lastreados em dívidas de empresas sólidas que são responsáveis por movimentar a economia!

O que são as criptomoedas?

As criptomoedas são moedas digitais descentralizadas, ou seja, não são emitidas por nenhum governo.

No entanto é considerado uma classe de ativos nova no mercado, por isso ainda desperta muitas dúvidas.

Vale ressaltar que como não há uma autoridade central sobre essas moedas digitais, elas são criadas e validadas por uma rede blockchain.

A partir de sistemas avançados de criptografia que protegem as transações, informações e dados de quem transaciona. 

Neste caso, elas são registradas e validadas por um grupo de pessoas que usam seus computadores para gravá-las no chamado blockchain.

Entretanto, quem registra essas transações são os chamados mineradores.

Eles oferecem o processamento dos seus computadores para realizar esses registros e conferir as operações realizadas com as moedas.

Por meio de soluções equacionais complexas, na base da tentativa e erro.

No entanto, em troca disso eles são remuneradores com novas unidades das moedas digitais.

Como é o caso do bitcoin e ether, que entram no mercado e passam a ser comercializadas.

Vale adicionar que existem criptomoedas que não precisam ser mineradas.

Contudo, no ramo de investimentos, as criptomoedas não são ativos como títulos ou ações, e possuem alto risco e volatilidade.

Colapso das criptomoedas

O colapso das criptomoedas já se tornou uma realidade para o mercado.

Mesmo com a sua volatilidade já esperada, a sua derrocada assustou os investidores.

Com isso, muitos realocaram o seu capital para investimentos de menor risco.

Como o caso de investimento em crédito, modalidade oferecida pela fintech de crédito Ulend.

Uma maneira mais rentável que renda fixa e mais seguro que renda variável.

Antes de tudo, podemos considerar que a migração da renda variável para renda fixa ocorreu porque o juro real ficou atrativo.

Isto aconteceu porque o Brasil apresenta uma maior volatilidade atualmente.

Pelo fato de haver um certo temor de uma recessão global, eleições polarizadas e a falta de uma âncora fiscal.

Em destaque, o país ganhou com a alta das commodities mas já gastou tudo com as medidas de desoneração dos combustíveis, energia elétrica e telecomunicação…

Entretanto, podemos concluir que crescimento baixo e juro alto é vento contra a renda e ativo variável.

Por isso a fuga do capital para ativos mais seguros são considerados uma boa opção para os investidores.

Ativos geradores de caixa

No entanto, os ativos geradores de caixa se tornam mais atraentes, ganhando uma maior competitividade no mercado!

Pois, como os títulos de dívidas e ações de grandes empresas tradicionais pagam os seus investidores.

Independente da valorização ou desvalorização do ativo.

O investidor não fica tão refém da volatilidade econômica do mercado.

Contudo, a fintech de crédito Ulend oferece investimentos em ativos reais geradores de caixa.

Neste caso, pelo fato do temor de uma recessão global, esses ativos se tornam uma excelente opção aos investidores.

Principalmente aqueles que estão na fuga para ativos de segurança!

Para saber mais sobre o investimento em crédito acesso o site Ulend.