Risco de crédito: como prever inadimplências em tempos de crise

Risco de crédito: como prever inadimplências em tempos de crise

Risco de crédito

Em meio a quarentena e restrições orçamentárias, começamos a rever nossas prioridades. Risco de crédito, pandemia mundial, Selic cada vez mais baixa, guerra de preços do petróleo e instabilidades das políticas internas resultam em um cenário de incertezas e rendimentos baixos. Como consequência, tomar crédito no mercado se torna mais caro. É a Lei da Oferta e Demanda, ou seja, maiores restrições nos orçamentos resultam em menor quantidade de dinheiro circulando na economia e aumento da procura por capital. O resultado da soma desses fatores é o encarecimento da liquidez.

E como fica o P2P nesse caso?

No caso das P2P e das demais credoras, a inadimplência impacta no fluxo de caixa e na falta de rendimentos dos investidores. Isso, é claro, não é o que queremos. Crédito com taxas menores e investimentos com taxas maiores é o que oferecemos.

Seguindo este raciocínio, a prudência a ser tomada de imediato entre todas as credoras é considerar que setores e empresas que, antes da crise, tinham uma determinada capacidade pagadora, no momento têm 3 vezes menos. As análises de crédito das empresas se tornam mais minuciosas. As variáveis dos setores das empresas, faturamento, endividamento e inadimplências anteriores devem ser analisadas linha a linha. Assim, a segurança do investidor aumenta.

A possibilidade de inadimplência e fraude sempre existirá, mas medidas para amenizar ou diminuir o risco devem ser tomadas. Por isso, mais de 80% das operações de crédito concedidas pela Ulend têm como base garantias reais. Combinando as garantias com análises mais profundas e diversificação da carteira, resultando em uma maior estabilidade que outros modelos de investimento.

Caso ainda tenha dúvidas sobre risco de crédito, é só comentar aqui embaixo. Aproveite e cadastre-se na plataforma que oferece garantias reais em seus investimentos e uma análise de crédito rigorosa para maior segurança.

Laís Pizzingrilli

Deixe uma resposta

Facebook
LinkedIn
Instagram