P2P Lending: quem não pode investir nessa modalidade?

P2P Lending: quem não pode investir nessa modalidade?

P2P Lending: quem não pode investir?

Foi criado, recentemente, um novo tipo de investimento financeiro que pode conferir retornos de até 45% ao ano. É o Peer to Peer Lending (P2P Lending) que, traduzindo para a Língua Portuguesa seria algo como “Empréstimo de Pessoa a Pessoa”.

Mas nem todo mundo tem o perfil para participar desta modalidade de investimento, o que é uma pena. Antes de qualquer coisa, vamos primeiro explicar o que é o P2P Lending, quais os perfis de investidores existem e quem pode ou não investir.

O que é Peer to Peer Lending?

A modalidade de investimento P2P Lending está em crescimento no Brasil. Ela chegou por essas bandas por volta de 2015 e desde então está se popularizando entre alguns investidores.

O P2P Lending funciona através de uma conexão entre pessoas ou empresas, através de uma plataforma digital. A empresa possui a necessidade de um empréstimo para tocar o seu negócio e uma outra pessoa é quem colabora financeiramente para isso.

Essa intermediação não é feita através de instituições bancárias, e essa é a parte importante do negócio. Quem precisa do dinheiro quer fugir das altas taxas para empréstimo dos bancos tradicionais. E quem empresta, consegue gerar mais lucro com os juros desta negociação. O risco é controlado pelas plataformas online. Ele existe. Porém, vale ressaltar que algumas plataformas que trabalham com essa modalidade, como a Ulend, já incrementaram garantias reais que diminuem o risco das operações.

Não é preciso dizer que para quem não tem dinheiro guardado, sobrando ou pronto para ser investido, não aconselhamos participar deste investimento. Muito menos que aqueles que tem medo de se arriscar, uma vez que também ficariam com receio de emprestar seu dinheiro via P2P Lending.

Mas quais são os perfis de investidores?

Os perfis de investidores mais comuns no mercado são:

· Conservador: os investidores deste perfil costumam não gostar de se arriscar. Em geral, costumam ser pessoas mais velhas, que não teriam muito tempo para se recuperar caso haja alguma perda grande de dinheiro em investimento. Por isso, preferem aplicar em algo seguro como os fundos de renda fixa, que são mais previsíveis;

· Moderado: o moderado é aquele que possui características tanto do perfil arrojado quanto do conservador. Ele é aquele que quer garantir uma boa rentabilidade, mas com segurança. Costumam ser aqueles que têm a carteira de investimentos mais diversificada, com renda fixa, fundos de ações e até apostando na bolsa de valores;

· Arrojado: esse costuma não ter medo de enfrentar o perigo. Ele quer rentabilidade alta mesmo que o investimento represente risco de perdas no futuro. Por isso, não tem medo do mercado financeiro e nem de comprar ações. Costumam ser investidores mais jovens.

Comparando os três perfis, dá para perceber que não é recomendado que o perfil dos conservadores invistam em P2P Lending, sobretudo pelo medo da perda que pode existir.

Mas se você tem um perfil mais arrojado, com certeza sentiu vontade de aplicar parte de seu dinheiro em P2P Lending. E saiba, você não está sozinho! Aqueles que tem o perfil mais moderado, também ficaram curiosos com esta nova forma de investimento e consideram participar.

Caso tenha alguma dúvida, é só comentar aqui embaixo.

Laís Pizzingrilli

Deixe uma resposta

Facebook
LinkedIn
Instagram