Organização financeira: como fazer seus investimentos serem mais rentáveis?

Organização financeira: como fazer seus investimentos serem mais rentáveis?

Investimentos mais rentáveis

Com a redução da taxa básica de juros para 3,75% ao ano, menor patamar da história, os investimentos em renda fixa estão cada vez menos rentáveis, já que têm como referência a Selic. Então, como podemos obter investimentos mais rentáveis nesse cenário atual?

Uma nova forma de investimento está chamando a atenção no mercado brasileiro. O P2P Lending, ou peer-to-peer lending, nada mais é do que empréstimos de pessoas físicas para pequenas e médias empresas sem intermediação bancária.

O P2P Lending favorece as duas pontas, já que as empresas tomadoras do empréstimo pagam taxas de juros bem menores do que nos bancos, a partir de 1,3% ao mês, e o investidor recebe rendimentos mais altos.

Entenda como funciona

Todo o processo é feito online, de forma ágil e sem taxas. Os empreendedores interessados em adquirir crédito fornecem seus dados e qual o valor que gostariam de obter. Após passar por uma avaliação de risco e garantias, eles são cadastrados na plataforma.

Assim como em uma corretora, as pessoas interessadas podem escolher em qual empresa investir. Para isso, o investidor analisa as informações disponibilizadas na plataforma, tais como o motivo do empréstimo, o tipo de negócio, a situação financeira e seu rating, uma nota que mede o risco.

O investimento mínimo parte de R$ 2mil e as taxas variam de 16% até 50% ao ano, quanto maior o risco, maior o retorno. Uma campanha de empréstimo coletivo se inicia, onde cada um decide o quanto investir. Ao atingir o valor do empréstimo solicitado pelo empresário, a campanha se fecha e o investidor passa a receber o seu dinheiro mensalmente com os juros contratados até o prazo do empréstimo.

O investidor não precisa e nem deve alocar todo o seu capital em uma única empresa. Ele pode montar uma carteira diversificada emprestando pequenas quantias para vários tipos de empreendimentos, dos seguros até os mais arriscados. Dessa maneira, ele consegue diminuir o risco.

Quais os riscos do P2P Lending?

Até o final de 2016, era possível conseguir um retorno considerável de quase 14% ao ano no Tesouro Direto, CDBs, LCAs e LCIs sem tomar quase nenhum risco. Hoje, a renda fixa está menos atrativa, por isso os investidores estão sendo quase que forçados a procurar alternativas.

Todo investimento tem os seus riscos e o P2P não é diferente. Se a empresa não pagar as suas parcelas de empréstimo, o investidor pode ficar no prejuízo. Para minimizar o risco de inadimplência, a plataforma de P2P costuma ser bem criteriosa na aprovação de empresas, selecionando aquelas que estejam com uma boa saúde financeira para honrarem com os empréstimos solicitados.

Outro meio de o investidor ter mais segurança é com garantia. Em algumas modalidades, são oferecidas garantias reais, como imóveis e ativos da empresa. Para outros casos, as empresas que não honrarem com as suas obrigações no empréstimo podem ser cobradas judicialmente. Vale destacar que, desde 2018, as plataformas de P2P Lending são regulamentadas pelo Banco Central.

Se você deseja fazer parte desse universo mais justo que aproxima pessoas de empresas, acesse o site da Ulend e faça o seu cadastro. Qualquer dúvida é só comentar aqui embaixo.

Laís Pizzingrilli

Deixe uma resposta

Facebook
LinkedIn
Instagram